Não seja o negro do branco

Conheci um jovem negro que tentava convencer-me: “a ciência foi inventada pelos negros! E os brancos a roubaram!” Eu lhe disse que a ciência não é de brancos nem de negros, mas de homens, e que não importava se os brancos a inventaram. Ele retrucou rápido: “você não sabe de nada, precisamos conversar…”; e desfiou sua tese que, além de confundir ciência no sentido moderno com a antiga filosofia da natureza, entre outras confusões mostrou-se, obviamente, uma teoria da conspiração.

A isso respondi-lhe: “enquanto você separa o que é do branco e do negro, e tenta criar um mundo do negro, e ser a alternativa do branco, e fazer da “negritude” a norma para o negro e empurrar o branco para a sua norma branca,  você ainda é o negro do branco. Eu me livrei disso quando deixei de ser o negro do branco. Eu sou um homem.”

Ele elogiou minhas filhas. “Duas princesas africanas!” A mais velha, que sofreu racismo em diversas ocasiões, não se impressionou. “Sou Brasileira!” Duas belas pretas Brasileiras, mas sabemos de família: índios, negros e europeus entraram em nosso sangue. Somos o melting pot. Mas por razões medelianas, elas são mais “africanas” e eu mais “índio” e meus irmãos mais “europeus”. Eu saí um negro ambíguo.

Mas para alguns sofistas somos simplesmente negros, com um etos negro, um patos negro, uma identidade negra, e um destino negro. Ou somos isso, ou não somos nada. Ou negamos quem somos.

‘Raça’ como base para distinções culturais e autoconstituição identitária, isso para mim é que é um nada; quanto a isso, sigo um ateu. E ainda mais ateu desses ideólogos que querem me usar nessa horrenda balcanização identitária, a serviço do puro agonismo político. Para quê criar tribos de negros? Para legitimar as tribos de brancos? Para oportunizar supremacistas malucos?

E quanto à ciência: de fato ela não é dos brancos, nem dos negros, nem dos homens, nem das mulheres, nem dos crentes, nem dos ateus. A ciência pertence aos seres humanos, e não interessa a cor, o sexo e a crença de quem a pratica para o bem comum.

Acredito em políticas de mobilidade social e na criminalização do racismo. Até mesmo em cotas, em certos contextos. Mas não acredito em negros de brancos, nem em brancos de negros que querem me salvar da “cultura dos brancos” e me ensinar “a cultura dos negros”. Sou um negro, mas não sou o negro dos brancos. Sou um homem.

*Quanto à ciência moderna… recomendo Peter Harrison, em “Os Territórios da Ciência e da Religião” (Ultimato). Para compreender que houve grandes pensadores africanos, mas que a ciência moderna nasceu, enfim, na Europa branca e Cristã. Se isso lhe incomoda, o fantasma do branco ainda se esconde no seu corpo: você ainda é o negro de algum branco.

8 comentários em “Não seja o negro do branco

Adicione o seu

  1. Guilherme a ideia de que a ciência “nasceu” na Europa na idade média é o que a história convenientemente convencionou, na verdade a ciência é anterior ao método científico proposto por Francis Bacon.

    Curtir

    1. Então Carlos… no projeto “Cristãos na Ciência” estamos lidando em detalhes com esses assuntos. Recomendo que vc se informe pelo site: http://www.cristaosnaciencia.org.br, e também que confira o livro que recomendei. É o 8vo volume de uma série sobre Teologia e Ciência que estou editando através da Ultimato. Abraços.

      Curtir

  2. Grande Guilherme, excelente texto. Há pouco estava conversando com uma querida amiga que, ao me ouvir citá-lo neste texto, me perguntou: “Mas você não acha que movimentos exclusivamente de negros seja uma ferramenta importante de mobilização e vocalização dos dilemas dessa comunidade? Algo como um movimento de transição entre a história de opressão e um futuro mais justo?”
    Respondi que sim, essa representação pode ser positiva, mas não é esse o problema. Acho que nenhum desses grupos afirmaria que sua luta ou movimento são transitórios. Não são pontos de partida, mas pontos de chegada Para mim trata-se de uma busca redentiva e identitária, que fragmenta o homem para depois reduzí-lo a um dos seus aspectos. É uma hipertrofia da raça ou do gênero, ou seja lá o que for, e a absolutização deste aspectos sobre os demais. Nessa busca por identidade, o homem cai na ruptura de si mesmo pois não se vê como ser humano completo, mas como apenas “uma causa com pernas e braços”. Acho que se os movimentos fossem conscientes deste perigo e procurassem ser realmente transitórios poderiam ajudar mais, mas na minha opinião não é assim que acontece. O que acha?

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: